Orquídeas Coelogyne – Aprenda Tudo Sobre Elas

O gênero das orquídeas coelogyne não é muito conhecido aqui no Brasil.

Mas mesmo assim elas são orquídeas incríveis e que merecem um grande destaque.

Por isso se você se interessa por orquídeas, continue lendo para aprender mais sobre essas orquídeas incríveis que são as coelogynes.

Sobre as orquídeas coelogyne

Orquídeas-Coelogyne

Elas foram encontradas em 1821 por Nathaniel Wallicch quando ele fazia uma expedição pelo sudeste asiático.

Lá ele encontrou 3 espécies desconhecidas na época que futuramente seriam consideradas como coelogynes.

Hoje elas formam um gênero com 200 espécies, sendo a maioria epífitas, ou seja, vivem em cima de árvores.

Como dito, elas são encontradas principalmente no sudeste da Ásia, especialmente em locais como:

  • Índia
  • Sri Lanka
  • Malásia
  • Ilhas Fiju
  • Bornéu (cerca de 70 espécies)
  • Entre vários outros locais da Ásia

Esse é um gênero muito diversificado, vivendo em locais que variam de florestas tropicais até locais muito frios como montanhas.

E quanto a altitude, pode variar do nível do mar até 3000 metros de altitude.

Uma curiosidade é que essa espécie já foi usada na medicina oriental, especialmente na China.

Mas com a evolução da medicina, ela não se tornou mais necessária, sendo atualmente apenas um meio de decoração.

E como dito no começo do artigo, as orquideas coelogyne são pouco cultivadas aqui no Brasil, isso devido principalmente ao seu tamanho.

Abaixo estão os três principais motivos do cultivo de coelogyne ser pouco famoso.

  1. Como elas crescem muito rápido, e são muito grandes, é necessário um grande espaço para cultivá-las.
  2. Suas flores são pequenas e suas cores não muito atraentes.
  3. E um terceiro ponto é que algumas espécies emitem um cheiro desagradável durante a floração

Mas lembre-se isso acontece apenas com algumas espécies específicas.

Características

Coelogyne-lentiginosa

Agora, vamos saber um pouco mais sobre as características da coelogyne.

Como dito anteriormente, elas são orquídeas grandes e que crescem rapidamente.

Mas também existem espécies menores.

O tamanho de suas espécies pode variar de 20 a 70 cm.

Além de serem epífitas, também existem espécies terrestres e rupícolas, mas são mais raras e normalmente vivem em locais mais frios.

E por último, a causa do cheiro ruim de algumas espécies.

Algumas delas são polinizadas por vespas ou besouros e nesse caso para atrair esses animais, elas emitem esse cheiro desagradável.

Cultivo

Coelogyne-lawrenceana

Se você tem ou quer comprar uma orquídea coelogyne é essencial saber como cultivá-las.

Pois dessa maneria sua orquídea será saudável e dará várias flores.

Em média, elas são orquídeas fáceis de cultivar.

Abaixo está um resumo sobre como fazer isso:

Temperatura: é bem resistente, assim como as paphiopedilum, aguentando temperaturas entre 15 e 35ºC

Substrato: mantenha umidade e também os nutrientes, permita um bom arejamento das raízes, normalmente um material poroso.

Iluminação: luz indireta, sobre a quantidade de luz a se receber, é recomendado que você verifique com o fornecedor de sua planta.

Rega: utilizar um lápis para verificar se o substrato está seco e após a floração regar mais abundantemente.

Umidade: alta, entre 70% e 85% (assim como as vandas), podendo chegar a 60% em períodos mais secos.

Replantio: não gosta, pode não florescer durante 1 ou 2 anos devido ao replantio.

Multiplicação: divisão de touceiras, cada muda deve ficar com ao menos 4 pseudobulbos, também pode ser multiplicada por sementes.

Flores

Coelogyne-fimbriata

Em uma boa parte das espécies as flores são pequenas e as cores não muito atrativas, mas também existem algumas em que isso não é verdade.

Algumas orquídeas coelogyne são destaques devido a sua grande quantidade de flores.

E também a diversidade de cores desse gênero é muito grande, mas poucas possuem as cores “interessantes”.

  • Amarelo
  • Marrom claro
  • Verde
  • Branco
  • Creme
  • Laranja

Com a floração muitas vezes durando semanas.

[Grátis] E-book Os 7 Maiores Segredos Do Cultivo De Orquídeas

Conclusão

Coelogyne-candoonensis

Apesar de existem algumas espécies que realmente não valem a pena serem cultivadas, também existem aquelas que são muito interessantes.

E esse artigo é especialmente para isso, se você ainda não tem uma em sua coleção, busque conseguir.

As espécies de coelogynes que estão nas ilustrando este artigo são:

  • Coelogyne candoonensis
  • Coelogyne fimbriata
  • Coelogyne lawrenceana
  • Coelogyne lentiginosa

Mas cuidado, busque informações antes de comprar essas orquídeas.

Para evitar que elas tenham um mal cheiro durante a floração.

Caso você queira outras opções de orquídeas para ter em sua casa, você pode escolher algumas dessas:

E se você gostou desse artigo o compartilhe em suas redes sociais.

Assim você estará ajudando essa espécie de orquídea, pois mais pessoas vão conhecê-la e quem sabe cultivá-la.

1 Comentário

  1. Direitos Autorais Das Imagens:
    Coelogyne Verrucosa: By Dick Culbert from Gibsons, B.C., Canada (Coelogyne verrucosa) [CC BY 2.0 (https://creativecommons.org/licenses/by/2.0)], via Wikimedia Commons ||| Swaniana: By Bernard DUPONT from FRANCE (Orchid (Coelogyne swaniana)) [CC BY-SA 2.0 (https://creativecommons.org/licenses/by-sa/2.0)], via Wikimedia Commons ||| Lawrenceana: By Dalton Holland Baptista [CC BY-SA 3.0 (https://creativecommons.org/licenses/by-sa/3.0) or GFDL (http://www.gnu.org/copyleft/fdl.html)], from Wikimedia Commons ||| Lentiginosa: By Dalton Holland Baptista [CC BY-SA 3.0 (https://creativecommons.org/licenses/by-sa/3.0) or GFDL (http://www.gnu.org/copyleft/fdl.html)], from Wikimedia Commons ||| Fimbriata: By Orchi [GFDL (http://www.gnu.org/copyleft/fdl.html) or CC-BY-SA-3.0 (http://creativecommons.org/licenses/by-sa/3.0/)], from Wikimedia Commons ||| Ecarinata: By snotch from Sapporo, Hokkaido, Japan [CC BY 2.0 (https://creativecommons.org/licenses/by/2.0)], via Wikimedia Commons ||| Candoonensis: By snotch from Sapporo, Hokkaido, Japan [CC BY 2.0 (https://creativecommons.org/licenses/by/2.0)], via Wikimedia Commons

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *