Como Cuidar De Orquídeas – 11 Passos Para Conseguir Flores Lindas

Você quer aprender como cuidar de orquídeas?

Quer descobrir o passo a passo para conseguir fazer suas orquídeas ficarem com lindas flores em pouco tempo?

Saiba que esse é um desafio enfrentado por várias pessoas diariamente.

Mas os poucos que conseguem cuidar dessas plantas maravilhosas, sabem disso:

  • As orquídeas necessitam de certos cuidados especiais para poderem ser saudáveis.

E se você quer aprender quais são esses cuidados especiais, continue lendo este artigo.

Como Cuidar De Orquídeas Em 11 Passos

Como-Cuidar-De-Orquídeas

Se você acredita que cuidar de orquídeas é algo muito difícil, saiba que isto é mentira.

Na verdade, o que está acontecendo é que você não conhece o que é necessário fazer para que sua planta seja saudável.

Para se cuidar de qualquer orquídea, é necessário apenas que você siga 11 passos.

E esses passos são os seguintes:

1º Identifique Sua Orquídea

Como-identificar-espécies-de-orquídeas

Saber qual é a espécie de sua orquídea vai te ajudar a descobrir as melhores dicas de cultivo para sua planta.

Na maioria das vezes, quando se compra a orquídea, ela já vem identificada com a sua espécie.

Mas caso você não saiba a espécie de sua orquídea, faça o seguinte:

  1. Acesse algum fórum sobre orquídeas
  2. Vá em uma seção especialmente dedicada a identificação de orquídeas
  3. Mande a foto de sua orquídea
  4. Agora é só esperar.

Essa é a maneira mais confiável de se fazer isso, porque muitas das pessoas que frequentam fóruns sobre orquídeas entendem muito sobre o assunto.

Outra opção é usar o Facebook.

  1. Entre em um grupo sobre orquídeas
  2. Mande a foto de sua planta e peça ajuda para identificar o gênero dela.
  3. Espere as respostas

Esse é um método mais rápido, mas também um pouco menos confiável.

Guia Gratuito - Como Cuidar de Orquídeas

Receba gratuitamente o nosso guia gratuito sobre como cultivar orquídeas. E ainda ganhe um bônus especial.

Clique no botão abaixo para recebê-lo

➜ BAIXAR O GUIA

Você sabia?

A maioria das orquídeas são cultivadas para decoração, mas há algumas exceções como:

A espécie Vanilla que é utilizada na produção de baunilha

A espécie Jumellea que é utilizada na produção de perfumes e tabaco.

2º Escolha o Vaso Correto

Escolha-o-Vaso-Correto

Agora vamos ver um pouco mais sobre os vasos para as suas orquídeas.

Como dito antes, não existe o vaso ideal para todas as espécies, mas podemos ver um pouco sobre quais são os mais utilizados.

Existem 3 tipos principais:

  1. Vasos de terracota: são os que se adaptam ao maior número de orquídeas. Possuem uma boa drenagem e são facilmente encontrados em lojas. Espécies recomendadas para esse vaso são cymbidiuns e cattleyas.
  2. Vasos de plástico: são os vasos mais baratos e leves. Dentre suas vantagens estão a grande diversidade, o preço e o seu reaproveitamento é muito fácil. É recomendado para phalaenopsis, zygopetalum, entre outras espécies.
  3. Vasos de cachepô: esse tipo é usado apenas em orquídeas que vivem sobre árvores (epífitas), ele tem uma ótima duração e é ótimo para orquídeas com raízes grandes. As espécies que mais gostam do cachepô são vandas, cattleyas, entre outras.

Quanto ao tamanho do vaso, escolha um que deixe a sua orquídea um pouco apertada.

Pois caso o vaso seja muito espaçoso, sua orquídea pode ter dificuldades em se desenvolver e acabar apodrecendo suas raízes.

E por último, nunca coloque o seu vaso em um suporte com água, pois isso pode apodrecer as raízes de sua orquídea.

3º Use o Substrato Ideal

Substratos-Para-Orquídeas

A grande maioria das espécies de orquídeas necessitam de substrato.

Os substratos são importantes porque além de ajudarem a fixar a orquídea no vaso, ajudam a orquídea a conservar água por mais tempo.

Além de ajudar a mostrar quando é necessário regar.

Tenha em mente que cada espécie de orquídea precisa de um tipo de substrato diferente.

Algumas gostam de ter suas raízes mais arejadas.

Enquanto outras querem elas mais apertadas, outras precisam de substratos para reter água.

Os Melhores Substratos

Antigamente, existia um substrato que era considerado perfeito para a maioria das orquídeas, o xaxim.

Mas como ele agora está em extinção, ficou proibido o seu uso.

Por isso, foram feitas pesquisas para descobrir qual é o melhor substrato para as orquídeas.

Britas
Britas ou pequenas pedras são substratos muito usados para melhorar a drenagem das orquídeas.

Então foi descoberto que:

Utilizar dois ou mais substratos em conjunto funciona melhor do que apenas um.

Por exemplo, se um substrato tivesse deficiência em reter água, o outro poderia ajudar nesse quesito.

Abaixo estão alguns dados sobre alguns dos substratos estudados:

  • Carvão vegetal: usar em locais com clima úmido. Dura cerca de 2 anos. Indicado para vanda, cattleya, laelia purpurata, oncidium. Não retém umidade.
  • Casca de pinus: boa para reter adubos. Dura até 1 ano. Recomendado para vanda, cymbidium, cattleya e laelia. Retém umidade.
  • Pedaços de ardósia: ajuda no crescimento e na floração. Durabilidade muito longa. Indicado para orquideas rupícolas. Não retêm umidade.
  • Caquinhos de barro: poroso, conserva uma boa acidez, retêm umidade e adubo. Durabilidade até 5 anos. Recomendado para vanda, cattleya, rhynchostylis e laelia.
  • Pedras de brita e dolomita: ajudam no enraizamento. Durabilidade indeterminada. Indicado para cattleya e laelia. Não retêm umidade.

E após escolher o substrato para sua orquídea, tome alguns cuidados.

Os substratos podem atrair fungos e até mesmo doenças para as suas orquídeas.

Por isso é necessário que se tome alguns cuidados com eles antes de colocá-los em suas plantas.

  1. Lave o substrato com água abundante.
  2. Após isso deixe-o de molho com água sanitária, o ideal é que se coloque cerca de 65ml (1/3 do copo americano) para cada 8 litros de água.
  3. Enxague o substrato com água abundante.

4º Forneça Uma Boa Temperatura

Temperatura-ideal

A temperatura para suas orquídeas é algo que não é muito fácil de se cuidar.

Por isso, ao escolher a sua orquídea, escolha uma que se adapte bem a temperatura de sua região.

Por exemplo, uma orquídea natural de um local mais frio, não vai se sair muito bem em regiões como o nordeste.

Mas caso você já tenha comprado a sua orquídea, não se preocupe.

Existem algumas técnicas que podem fazer a sua orquídea ter uma maior resistência ao calor.

Basicamente, você vai:

  1. Aumentar a umidade
  2. Colocá-la em um local com uma ótima ventilação.

Algo que merece nossa atenção é a chamada queda de temperatura que a orquídea necessita.

TEMPERATURA

Isso é, para florir as orquídeas precisam de uma diferença de temperatura do dia para noite.

Ou seja, durante o dia a temperatura tem que ser mais quente do que a noite.

O recomendado é que essa queda de temperatura seja de 5 a 15ºC.

A queda de temperatura é necessária para a maioria das orquídeas, sendo que apenas algumas espécies não precisam dela.

Também existem alguns cuidados que você deve ter com a temperatura.

Pois uma temperatura muito alta ou muito baixa vai prejudicar a sua orquídea.

  • Temperatura alta: pode desidratá-la, queimar suas folhas e flores ou até mata-la.
  • Temperatura baixa: fazê-la entrar em repouso (1 ou mais anos sem florir) ou ficar muito fraca, de modo que doenças conseguem atacá-la facilmente.

5º Ilumine Corretamente Sua Orquídea

Iluminação-Adequada

A iluminação é o fator principal que vai fazer a sua orquídea florir.

Se ela estiver em excesso ou faltando, a floração de sua orquídea pode não ocorrer.

Por isso, para cuidar bem de suas orquídeas, você tem que prestar atenção a luz que oferece para suas plantas.

A grande maioria das orquídeas vive em lugares onde é protegida da luz solar direta.

São poucas as espécies que recebem luz solar direta.

Mas mesmo assim, elas vivem em ambientes com a umidade e a ventilação muito altas.

Para verificar se a luminosidade de sua orquídea está agradável, basta olhar para a cor de suas folhas.

  1. Se estiver com um verde mais escuro que o normal, falta luz. Isso ocorre porque a planta precisa aumentar a produção de clorofila para captar mais luz.
  2. Caso esteja com um tom mais amarelado ou preto devido a queimaduras, está recebendo muito sol.

Para saber mais acesse o artigo manchas nas folhas das orquídeas.

6º Garanta Uma Umidade Ideal

Umidade-ideal

A umidade ideal varia de orquídea para orquídea.

Para descobrir se sua orquídea precisa de uma umidade mais alta, veja se ela segue alguns dos seguintes critérios:

  • Raízes finas
  • Folhas finas
  • Não possui pseudobulbos

Já as orquídeas que tem pseudobulbos e folhas mais grossas, vão precisar de uma umidade menor.

Outra opção é imitar o ambiente natural de sua orquídea.

Basicamente você vai imitar a umidade do local onde sua orquídea vive.

Normalmente, você não vai ter problemas tentando abaixar a umidade do ambiente, exceto em dias de chuva.

Para baixar a umidade de sua orquídea:

  1. Trazer a orquídea para dentro caso ela esteja fora de casa e também não a regue nesse dia.
  2. Outra dica é deixar um ventilador ligado com um vento fraco apontando para sua orquídea.

A ventilação para sua orquídea deve ser um vento seco e quente.

O contrário pode causar doenças e manchas nela.

Já para aumentar a umidade, existem algumas dicas muito úteis, sobre o que você pode deixar perto de sua orquídea para aumentar a umidade:

  • Toalha molhada.
  • Vaso com britas e água

7º Consiga a Ventilação Correta

Ventilação-ideal

Uma boa ventilação é essencial para que sua planta possa evitar fungos e bactérias.

Além disso, pode ajudar no controle da umidade e da temperatura.

Mas existem alguns cuidados que você deve ter com o vento.

Sempre que a temperatura estiver muito elevada, aumente a ventilação de sua planta, abrindo a janela ou colando um ventilador.

Sendo o ideal uma brisa em vez de vento forte, que pode até danificar suas plantas.

Também evite fumar perto de sua orquídea ou deixá-la em locais com o ar muito poluído.

8º Regue Quando Necessário

Como-regar-orquídeas

A rega é simplesmente o fator mais importante sobre como cuidar de orquídeas.

Isso porque muitos iniciantes erram nesse quesito e acabam matando a orquídea que compraram ou ganharam.

Conseguir regar corretamente a sua orquídea, sem exagerar e nem colocar pouca água é algo essencial.

Se você exagerar na rega de sua orquídea, o excesso fará que suas raízes apodreçam.

O que pode acabar até matando a sua orquídea.

Guia Gratuito - Como Cuidar de Orquídeas

Receba gratuitamente o nosso guia gratuito sobre como cultivar orquídeas. E ainda ganhe um bônus especial.

Clique no botão abaixo para recebê-lo

➜ BAIXAR O GUIA

Para descobrir quando sua orquídea precisa de água existem 3 técnicas muito simples e eficientes:

  1. Utilizar uma balança: Se você tiver uma balança em casa, pese sua orquídea seca e anote o seu peso. Após isso regue, quando a sua orquídea voltar ao peso anotado, está na hora de regar.
  2. Utilizando seu dedo: Coloque seu dedo no meio do substrato e verifique se ele está molhado. Se estiver úmido, espere mais um dia e cheque de novo, quando estiver quase seco, regue.
  3. Utilizando um lápis: Aponte um lápis e coloque-o no substrato, se a casca mudar de cor, está na hora de regar.

Para regar, utilize água morna e regue apenas as raízes.

Se possível regue durante a manhã, pois desse modo a orquídea não vai passar a noite molhada, evitando assim que suas raízes apodreçam.

9º Utilize o Adubo Correto

A adubação é algo essencial para a maioria das orquídeas, ajudando-as a ter um melhor florescimento e também a serem mais saudáveis.

Basicamente são usados dois tipos de adubos nas orquídeas, os adubos orgânicos e os adubos químicos.

  1. Adubos Orgânicos: feitos de materiais orgânicos, sendo muito famosos a torta de mamona e o bokashi. Eles fornecem os minerais para sua orquídea de uma forma mais lenta, pois são absorvidos quando o adubo começa a se decompor.
  2. Adubos Químicos: esses são um pouco mais “perigosos” para sua orquídea. Mas só vai existir um perigo real se você adubar em excesso a sua orquídea, pois poderá queimar as folhas e as raízes de sua planta, matando assim a orquídea.

Como existem muitas espécies de orquídeas e cada uma precisa de algum nutriente específico, faça o seguinte.

  1. Acesse a nossa categoria cultivo
  2. Encontre a espécie de sua orquídea
  3. Veja qual o adubo mais recomendado para ela.

Saiba que se você escolher um adubo químico, opte por um que dissolva na água.

O melhor horário para aplicar o seu adubo é durante a manhã ou no final da tarde.

Desse modo o sol em conjunto com o adubo não vai queimar suas folhas.

Sempre aplique o adubo nas raízes, isso porque as orquídeas absorvem 90% de seus nutrientes pelas raízes.

10º Aprenda a Replantar Suas Orquídeas

As orquídeas normalmente são replantadas se:

  • Estão grandes demais para o pote
  • Quer multiplicá-las (parti-las no meio para conseguir uma nova orquídea)
  • Substrato está velho

Normalmente o replantio ocorre em média de 1 a 3 anos dependendo da espécie, já outras não necessitam de replantio como é o caso da vanda.

O replante das orquídeas, em sua grande maioria segue os seguintes passos.

  1. Molhar orquídea para ficar mais fácil de retirá-la do vaso.
  2. Retirá-la do vaso.
  3. Limpar suas raízes, tirando todo o substrato.
  4. Cortar as raízes mortas com uma tesoura esterilizada
  5. Colocar substrato no novo vaso até a metade.
  6. Encaixar a planta, colocando o lado em que surgem os novos brotos livres, ou seja, não devem encostar na lateral do vaso.
  7. Colocar substrato nas raízes da planta, para fixá-la no vaso.

Em alguns casos esse processo é um pouco diferente, por exemplo, quando se vai plantar a orquídea em uma árvore.

Nesse caso basta fixá-la na árvore e colocar um apoio para ela, e em pouco tempo ela vai utilizar suas raízes para se fixar na árvore.

Lembre-se que as orquídeas que podem ser plantadas em árvores são as epífitas.

11º Evite Pragas e Doenças

Pragas-e-doenças

Um dos maiores desafios quando se trata de cuidar de orquídeas, é conseguir evitar, detectar e combater pragas e doenças.

Isso porque existem várias formas de se contaminar uma orquídea, além disso, se você não cultivá-la direito, ela pode ficar doente.

E uma orquídea doente pode não ser fácil de se perceber.

Pois os sintomas podem demorar para aparecerem.

Isso acontece especialmente quando se cultiva muitas orquídeas, sendo que a chance de passar uma doença para outra orquídea é muito grande.

Abaixo, eu separei algumas dicas que você pode usar para garantir que sua orquídea esteja sempre saudável.

Essas 5 dicas vão garantir que 90% das doenças em suas plantas sejam evitadas.

  1. Utilize uma tesoura esterilizada, para podar suas orquídeas, basta colocá-la no fogo por um pequeno período de tempo.
  2. Deixe suas plantas a 40 cm de distância, umas das outras. Isso vai garantir que elas não compartilhem doenças e pragas.
  3. Evite colocar uma orquídea em cima de outra. A água escorrida pode passar doenças.
  4. Utilize canela em pó: nos locais que você podar a sua orquídea, pois ela funciona como um cicatrizante natural.
  5. Evite reaproveitar vasos sem limpá-los muito bem antes.
  6. Ao comprar uma orquídea, deixe-a separada das outras por 40 dias.
  7. Mantenha o local onde suas orquídeas estão limpos e com uma ótima umidade.
  8. Lave muito bem o substrato antes de usá-los.
  9. Todos os dias monitore suas plantas, procurando por fungos e doenças.

E esses foram os 11 passos para que você consiga cuidar de suas orquídeas de uma maneira muito simples.

Bônus – Guia Gratuito Sobre o Cultivo de Orquídeas

Segredo-Das-Orquídeas-1

E se você quer aprender técnicas mais avançadas, para ter orquídeas com muitas flores veja isto.

Você pode baixar de graça o nosso guia gratuito e completo, nele você vai aprender:

  1. Como Fazer a Diminuição de Rega
  2. Como Descobrir Qual a Iluminação Ideal de Sua Orquídea
  3. Como Ter Flores o Ano Inteiro
  4. E muito, muito mais

Se você se interessou, clique aqui.

Características Das Orquídeas

Como-cuidar-de-orquídeas

Agora que você já aprendeu como cultivar suas orquídeas que tal aprender mais sobre essas plantas?

Abaixo eu separei as principais características dessas plantas.

As orquídeas pertencem a família orchidaceae.

Essa família é considerada a que apresenta o maior número de espécies com flores no mundo.

Sendo que atualmente já foram identificadas mais de 35000 espécies, sem contar os milhares de híbridos.

Elas são dívidas entre mais de 1800 gêneros, alguns possuem centenas ou até milhares de espécies como:

Além disso, também existem gêneros com apenas uma espécie como é o caso das isabelia.

As características das orquídeas podem ser muito variadas.

Existem plantas extremamente pequenas e outras que passam de 4 metros como as orquídeas vandas.

As orquídeas estão em quase todos os locais do planeta, sendo que entre os continentes, ela não aparecem apenas na Antártida devido ao frio extremo do local.

Graças a essa adaptação a vários locais do globo terrestre, elas acabaram sobrevivendo em locais muito variados.

Desse modo existem algumas que vivem em pântanos, outras em deserto, florestas, etc.

Os gêneros de orquídeas mais conhecidos são:

  1. Cattleya
  2. Laelia
  3. Oncidium
  4. Cymbidium
  5. Miltônia
  6. Dendrobium
  7. Vanda
  8. Phalaenopsis
  9. Phaphiopedilum

Sendo consideradas as mais fáceis de cultivar a phalaenopsis, a paphiopedilum e a cattleya devido a grande resistência delas.

Classificação Das Orquídeas Por Habitat

Classificação-por-habitat

Este é um assunto um pouco mais avançado.

Mas se você leu até aqui, eu tenho certeza que vai aprender isso com uma grande facilidade.

Além de serem separadas por espécies, também existem várias outras maneiras para se classificar as orquídeas.

E uma dessas maneiras é a classificação por habitat, ou classificação segundo o local onde as orquídeas nascem.

E as principais classificações de orquídeas por habitat são:

Orquídeas epífitas

Dendrobium-orquídea-epífita
Orquídea epífita do gênero dendrobium

As orquídeas epífitas são aquelas que crescem em cima árvores.

Elas se apoiam nas árvores e retiram seu alimento das folhas e dos materiais orgânicos que caem da árvore.

Elas correspondem a grande maioria das orquídeas.

Mas é importante ressaltar que elas não são parasitas, ou seja, usam a árvore apenas como apoio.

Uma das principais características das orquídeas epífitas são as suas raízes, que possuem uma estrutura esponjosa chamada velame.

O velame juntamente com um fungo ajudam as orquídeas a absorver água e também a captarem os nutrientes dos materiais orgânicos.

Orquídeas Litófitas

Doritis-pulcherrima-orquídeas-litófitas
Doritis pulcherrima uma das raras orquídeas litófitas

E por ultimo as orquídeas litófitas que são aquelas que crescem em pedras.

Na verdade nas rachaduras das pedras, onde se acumule matéria orgânica. Elas são minoria entre as orquídeas.

Na grande maioria dos casos, essas orquídeas podem ser consideradas de tamanho pequeno.

Orquídeas Terrestres

Paphiopedilum-orquídea-terrestre
Orquídea terrestre do gênero paphiopedilum

As orquídeas terrestres apesar do nome, não crescem na terra.

Elas crescem em húmus ou nos materiais orgânicos que ficam no chão da floresta.

Existem uma grande quantidade de orquídeas terrestres.

Mas como muitas não são muito cultivadas, há um boato de que são poucas orquídeas desse tipo.

Uma grande vantagem de cultivar esse tipo de orquídea é a grande resistência a luz solar.

Crescimento Simpodial e Monopodial

Assim como a classificação segundo o local onde vivem as orquídeas, também existe outra.

A classificação segundo o tipo de crescimento.

E nesse caso, nós vamos utilizar dois tipos de orquídeas.

Crescimento Simpodial

Cymbidium-Simpodial
Cymbidium, com crescimento simpodial.

Uma orquídea com crescimento simpodial produz vários brotos que vão crescendo até um certo tamanho.

Então eles florescem e devem ser podados.

Desse modo, a orquídea vai crescer lateralmente.

Alguns exemplos de orquídeas com crescimento simpodial são:

Crescimento Monopodial

Vanda-Monopodial
Vanda com crescimento monopodial

Já uma orquídea com o crescimento monopodial produz apenas um broto que vai crescendo indefinidamente.

Sendo que ele produz suas hastes florais nas axilas das folhas.

Assim, podemos dizer que ela cresce verticalmente.

Alguns exemplos de orquídeas com o crescimento monopodial são:

Além desses dois modos de crescimento, também existe outro tipo de crescimento.

Mas não se preocupe pois são poucas as orquídeas com esse tipo de crescimento, basicamente seria uma junção dos dois tipos de crescimento.

Um exemplo é a orquídea maxillaria.

Conclusão – Como Cuidar De Orquídeas

Este foi o guia completo sobre como cuidar de orquídeas.

Espero que com ele você tenha aprendido tudo o que deve fazer para ter florações incríveis.

E se você gostou de tudo o que aprendeu aqui, está na hora de nos ajudar.

Compartilhe esse artigo em suas redes sociais, porque assim você nos ajuda a ensinar mais pessoas.



Artigos Relacionados: